Inf√Ęncia e juventude: qual literatura?

Consumo de livros entre crian√ßas e jovens marca as discuss√Ķes do X Jogo do Livro


     

Acontece ‚ÄĘ Ter√ßa-feira, 19 de Novembro de 2013, 14:03:00

‚ÄúA crian√ßa l√™ tudo no mundo que v√™ e descobre‚ÄĚ, afirmou Dolores Prades, editora da revista Em√≠lia, na quinta mesa do X Jogo do Livro Infantil e Juvenil, realizada na manh√£ de sexta-feira (08/11). Dolores se referia ao infinito universo de possibilidades que se oferece de forma cotidiana √†s crian√ßas na chamada primeira inf√Ęncia ‚Äď fase que vai at√© os seis anos de idade. ‚ÄúPara crian√ßas nessa etapa da vida, tudo est√° sendo descoberto pela primeira vez‚ÄĚ. Segundo a editora, o encanto e as surpresas dessas descobertas podem (e devem!) ser aproveitados para estimular os pequenos a entrar desde cedo no mundo das narrativas.

De acordo com Dolores, a palavra √© um elemento fundamental para o crescimento emocional e psicol√≥gico do beb√™. A leitura em voz alta √© muito importante nesse processo, j√° que ajuda a organizar o pensamento em palavras. ‚ÄúNessa fase, n√£o importa tanto o que dizem as palavras, mas como elas s√£o ditas‚ÄĚ, afirmou a editora. ‚ÄúNada substitui a voz afetuosa e ritmada do adulto contando hist√≥rias para uma crian√ßa‚ÄĚ. Realizada de forma intuitiva h√° s√©culos, a leitura em voz alta n√£o carece de receita. ‚ÄúQualquer hist√≥ria pode ser contada. Mas nada como pais e professores leitores para estimular a intimidade com os livros‚ÄĚ.

M√īnica Correia Batista, pesquisadora do Ceale, endossou que incorporar o livro ao mundo da crian√ßa n√£o √© (apenas) uma forma de favorecer o crescimento futuro ou o desenvolvimento de compet√™ncias intelectuais. Muito mais do que isso, trata-se de uma porta de entrada no universo da leitura. ‚ÄúO papel que as hist√≥rias cumprem n√£o se resume ao provimento de modelos narrativos. Ele diz respeito √† possibilidade de constru√ß√£o de outros universos de refer√™ncia‚ÄĚ. Para a pesquisadora, o contato com a literatura √© importante na primeira inf√Ęncia porque s√£o essas hist√≥rias que v√£o fornecer material simb√≥lico inicial para descobrir quem somos e quem queremos ser.

Leitura na juventude

Na mesa anterior, os pesquisadores Maria Z√©lia Versiani, Ivete Walty e Edgar Roberto Kirchof discutiram a literatura para jovens. Partindo do questionamento da velha ideia de que o jovem n√£o l√™, a mesa buscou compreender afinal o que o jovem l√™ e que suportes de leitura se oferecem para sua forma√ß√£o liter√°ria. A conversa girou entre tr√™s diferentes prismas de an√°lise: as m√ļltiplas formas de apresenta√ß√£o da poesia juvenil na atualidade; a proposta intertextual e dos processos enunciativos de livros infanto-juvenis; e a literatura para jovens no universo digital.¬†